Dica cultural – Procurando Dory

A continuação do filme “Procurando Nemo” estreou nos cinemas há mais de um mês. Dessa história, é possível retirar boas lições financeiras. E poucos se atentam para isso. Leia propostas para reflexão.

– Consumo e identidade. O filme começa com a Dory se lembrando de situações ligadas à sua origem, até ter certeza de que tem um pai e uma mãe. Ela confia nessa lembrança e atravessa o oceano à procura deles. Da mesma forma que tem convicção sobre a própria identidade, não sente necessidade de consumir para impressionar ou ser aceito socialmente, pois está seguro de si e do que importa de fato. Parece bobagem, mas um dos principais motes da publicidade é vender a sensação de pertencimento. Mais que um produto, as propagandas vendem conceitos, estilos de vida. E quem está com a autoestima fragilizada tem mais chances de cair na propaganda enganosa.

– Sempre há um outro jeito. Essa é uma das lições que Dory lembra ter recebido de seu pai. Quando ela desanimava e não via saída, ele lhe mostrava que sempre há outro jeito. Essa dica é especialmente válida para quem tem dívidas e se vê sem saída…   O comportamento comum é fazer um empréstimo ou cortar itens do orçamento, mas há outras formas: gerar renda extra, reajustar os compromissos financeiros, ver o que é prioridade etc.

-Acredite no melhor. Há um fenômeno em psicologia social denominado profecia autorrealizadora, segundo a qual quando um indivíduo acredita em algo, ele age e percebe as situações de modo a confirmar a própria crença. Dory é muito positiva e, por mais desafiador que seja o objetivo, ela não desiste e confia que tudo vai dar certo. Há alguma dúvida de que essa postura contribui para uma vida financeira sustentável?

Deixe uma resposta