Cuidado para o hobby não endividá-lo!

A delicada relação entre o uso do dinheiro e o prazer é um detalhe relevante para análise de finanças pessoais. O gasto supérfluo de uma pessoa pode ser justificado por outra. Essa relação delicada vai além de meros prazeres consumistas. Pessoas diferentes têm interesses diferentes que levam a hobbies diferentes. Caminhar na rua, por exemplo, é mais barato do que nadar, mas não necessariamente tão interessante para todos.

O hobby não pode levar a gastos excessivos. Afinal, não adianta ter uma atividade para relaxar e, depois, ficar estressado com um rombo no orçamento.

Alguns hobbies, pela lógica artesanal, podem contribuir para aumentar o impacto financeiro do praticante. Vender quadros para amigos para comprar mais material de pintura, criar uma loja on-line para dar vazão à produção do curso de costura são maneiras de diminuir o impacto financeiro das atividades e, quem sabe, de zerar custos e começar a ganhar um pouco.

É claro que nem todos os hobbies podem ser atividades econômicas em si mesmas. Nesses casos, o autocontrole é fundamental. Se o seu hobby é jogar videogame, é melhor estabelecer um valor fixo para a atividade – como qualquer outro gasto -, comprar jogos usados e depois vendê-los em sites de venda como o e-bay ou o Mercado Livre. Se o consumo de cervejas importadas é o seu interesse, é possível obter negócios melhores em sites especializados em cervejas artesanais do que simplesmente ir ao supermercado mais próximo. Com pesquisa, criatividade e vontade, aliam-se muitos hobbies ao equilíbrio financeiro e, ainda, diverte-se.

Um comentário sobre “Cuidado para o hobby não endividá-lo!

  1. Ótimo conteúdo. Quanto maior divulgação, melhor! É preciso incentivar uma educação financeira continuada, como o SICOOB Credijustra tem feito. Meus aplausos para todos aqueles que estão envolvidos nessa empreitada.

Deixe uma resposta